Queimaduras por caravelas ocorreram em diversas praias, segundo os bombeiros.

Socorristas reforçam que banhistas precisam prestar mais atenção.

Caravelas apresentam riscos para moradores no Litoral Norte Com a chegada das temperaturas altas e mais banhistas nas praias, o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina alerta para os cuidados com as águas-vivas.

Em novembro, foram registradas 626 ocorrências envolvendo esses animais no litoral catarinense, sendo 229 nas praias de Florianópolis, segundo os bombeiros.

“O maior problema que a gente encontra é com as caravelas, que são chamativas, geralmente roxas, lilás, e as crianças tentam pegar e acabam acontecendo os acidentes”, explicou Richard Stüpp, tenente dos bombeiros.

Além de queimaduras, há ocorrências com choque anafilático e outras situações decorrentes das queimaduras.

No litoral catarinense, é comum aparecerem caravelas e medusas.

“Temos alta incidência envolvendo acidentes com esses animais marinhos.

A presença do vento do oceano em direção às praias traz esses animais para a areia e faixa de banho onde ocorrem os acidentes”, detalhou Stüpp.

SC registra águas-vivas nas praias Reprodução/NSC TV Orientações Segundo ele, os banhistas devem ficar atentos ao entrar na água.

Os bombeiros estão sinalizando com bandeira roxa as praias que estão com águas-vivas.

A sinalização fica no mesmo mastro da bandeira que indica as condições do mar.

Caso haja o contato com as águas-vivas, a orientação é procurar o posto salva-vidas e jogar vinagre na área do corpo atingida.

O banhista não deve lavar o local com água doce, pois potencializa a liberação de toxinas na pele.

A queimadura por caravelas pode apresentar sintomas além da ardência, como vômito, câimbras e taquicardia.

Nesse caso, o banhista deve procurar atendimento médico.

Veja outras notícias do estado no G1 SC