Na foto, os 05 deputados estaduais integrantes de comissão eleitos na tarde desta quarta-feira (23/09). Foto: Montagem/Agência ALESC/Divulgação


Duas sessões na tarde desta quarta-feira (23/09) escolheram os integrantes da Comissão Mista que ira julgar o pedido de impeachment contra o governador do Estado de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva, e a vice, Daniela Reinehr. A votação na ALESC escolheu cinco deputados, e o sorteio no TJSC, cinco desembargados.


No TJSC, em ordem de sorteio, os cinco desembargadores sorteados pelo presidente do TJSC, Ricardo Roesler, e que irão compor o Tribunal Misto são os seguintes:
1. Cláudia Lambert de Faria
2. Rubens Schulz
3. Sérgio Rizelo
4. Carlos Alberto Civinski
5. Luiz Felipe Siegert Schuch.


Os 05 deputados escolhidos em votação no plenário da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina para o tribunal misto foram: Deputado Sargento Lima (PSL), Maurício Eskudlark (PL), Luiz Fernando Vampiro (MDB), Kennedy Nunes (PSD) e Laércio Schuster (PSB).

A votação na ALESC foi aberta e nominal, ou seja, cada deputado manifestou na tribuna seu voto. Todos os 40 parlamentares eram elegíveis para compor a comissão mista. No momento do voto, cada deputado indicou o nome de outros cinco deputados. Foram eleitos os cinco mais votados.


A primeira sessão do tribunal misto ocorrerá sexta-feira (25/09) às 10h, quando será eleito o relator, que terá 10 dias para apresentar parecer favorável ou contrário à continuidade do processo de impeachment. Se houver parecer a favor pela maioria do tribunal misto, o governador do Estado e a vice serão afastados por até 180 dias para que seja feito o julgamento do processo, com análise de provas, depoimentos, entre outros. Assume o cargo de governador o presidente da ALESC, deputado Júlio Garcia, denunciado pelo Ministério Público Federal recentemente por lavagem de dinheiro na segunda fase da Operação Alcatraz. Caso esteja impedido, o cargo de governador do Estado será ocupado pelo presidente do TJSC.


Ao fim do processo, a perda dos cargos se consolidará se dois terços dos 10 integrantes da comissão julgadora considerarem que Carlos Moisés da Silva e Daniela Reinehr são culpados pelos crimes de responsabilidade apontados no pedido de impedimento aprovado na Assembleia Legislativa.


Redação/Edição: Maurício Juchem
*Com informações da Agência ALESC, NDMais e TJSC.