O desembargador Jaime Ramos designou para esta sexta-feira (24/6), às 09h30min, uma audiência de conciliação entre o Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Município de Florianópolis (Sintrasem) e a Prefeitura da capital. A decisão se deu na ação movida pelo município em decorrência da greve dos servidores municipais, que teve início na última semana, na quarta-feira, dia 15/06.


A sessão será transmitida pelo canal oficial do TJSC no YouTube. Conforme anotado pelo desembargador na última terça-feira (21/06), estão mantidos os termos da decisão liminar publicada na última sexta (17), quando foi determinado o restabelecimento integral de todos os serviços essenciais de educação, saúde e assistência social (Dissídio Coletivo de Greve n. 5033188-84.2022.8.24.0000).



Prefeitura propõe ganhos acima da inflação para servidores com menores salários

A proposta feita pela Prefeitura de Florianópolis em resposta à data-base de 2022 prevê reajuste acima da inflação para segmentos de servidores com salário mais baixo, como por exemplo:

Auxiliar de sala - o novo salário, junto com o novo vale-refeição, de acordo com a proposta feita pelo município, teria um reajuste de 28%, incluindo nova gratificação e pagamento do plano de cargo.


Auxiliar-administrativo - com salário e vale, teria um aumento de 19%.

Para a maioria dos professores - acima de 12% de reajuste.

Todas estas questões estavam na proposta apresentada pela Prefeitura na segunda-feira, 20 de junho, durante mesa de negociação.

A prefeitura segue aberta ao diálogo e pede que os grevistas acatem a decisão judicial de retorno às atividades.

Importante salientar que a folha de pagamento da Prefeitura gira em torno de R$ 1 bilhão por ano, quase 50% de tudo que o município arrecada. Cada 1% que o sindicato pede equivale a R$ 10 milhões.

Serviços prejudicados pela greve do sindicato

Nesta terça-feira, 21, a adesão geral dos profissionais da Educação em greve foi de
18,7% e na saúde, de 16,4%.
Do total de escolas, apenas duas creches estão sem atendimento. Na saúde, UPAS e SAMU seguem sem adesão.


Fontes: TJSC e PMF

Foto/Divulgação: Pixabay

Deixe seu Comentário